Google+ Followers

quarta-feira, 10 de julho de 2013

É cada arapuca...

Vamos lá; penso que seja importante relatar o que aconteceu nesta semana...e para vocês entenderem um pouco do contexto, um pequeno retrocesso.
 Nas eleições de 2012, fui convidada a participar do processo eleitoral apoiando o candidato do PT em Caldazinha. Quem fez o convite foi a atual primeira dama. Aceitei e realmente acreditei que era a melhor opção pra cidade, ainda acredito. Trabalhei com empenho e até fiz alguns desafetos. No dia da eleição a 1ª dama me pediu emprestado uma caixa grande de isopor para colocar as águas. Emprestei de bom grado. Esperei a festa da vitoria acontecer e passar as comemoração. Achei que estava tudo bem e estava confiante de que desenvolveríamos os projetos de inclusão e cooperação que tanto divulguei para os eleitores que eu pedia votos. Para minha surpresa, certo dia no final de dezembro, disse assim: oi 1ª dama, tudo bem? Não gosto que me chame de 1ª dama. Fiquei assustada com o tom de voz e a expressão. Resolvi deixar isto pra lá e pensar que era apenas uma questão de TPM. No início de janeiro liguei pra saber se estava tudo bem e queria a caixa de isopor de volta. Outra surpresa, ela simplesmente disse que não sabia da caixa e que não tinha nada com isto. Ai a "ficha caiu" sim a síndrome das 1ª damas estava atuando fortemente antes do previsto. Resultado fiquei sem a caixa e sem o convite para fazer parte desta administração; mas, o que realmente me chateou foi que nem uma ligação de retorno, nenhuma palavra nem de reprovação ou de agradecimento, simplesmente me excluirão. E o excluído sempre reivindica o lugar de direito.
Mas, como "gata escaldada tem medo de água fria" no final do ano encaminhei vários curriculum e divulguei que estava precisando aumentar minha carga horária. E Deus é Bom! Não nos deixa envergonhados.
Um primo, que com certeza, temos fortes laços de amizade e afinidades, Adriano Felipe, indicou meu nome para um trabalho no SESI. Outros trabalhos surgiram e eu segui em frente na certeza de que "TUDO Coopera para o bem daqueles que amam a Deus."
Prefeito e Cia mudaram o tratamento comigo visivelmente; fiquei muito chateada e posso garantir que fiquei indignada e com raiva da minha " ignorância" em acreditar em políticos. Comecei a trabalhar firmemente estes sentimentos. "O que em mim criou esta realidade? Que necessidade é esta em mim, de ser usada, enganada e ludibriada?" Fui pro caminho da auto responsabilidade, pois sei que este é o único caminho que proporciona a verdadeira libertação.
Vi que não conseguia esquecer estes acontecimento, precisava perdoar a mim mesma e liberar perdão.
Orei e clamei varias e varias vezes por dia e dias. Até que meu coração abrandou. E aceitei a realidade como o melhor para todos os envolvidos.
Nesta semana recebo a ligação do vice prefeito querendo falar comigo, junto com a secretária da assistência social (não é a 1ª dama, ela por um gesto de extremo desapego não quis assumir a Secretaria e mesmo sem "receber" todos os dias e em todas reuniões e decisões ela faz questão de estar presente!!).
Pois bem, fui e a proposta (realmente não entendi direito o que era pra fazer!) disseram que  o Governo Federal liberou para a cidade a construção de cento e cinquenta casa. É certo o dinheiro tá pra chegar! A Secretária disse que era apenas pra eu acompanhar os processos e ver recursos pela internet, este é o serviço, só isto... eu disse que não gostava de trabalhos burocráticos e que eu trabalhava com recrutamento e seleção e diante disto sabia que não tinha competências para o cargo que a meu ver demandava uma pessoa da área de direito e que pessoas certas em posições erradas podem comprometer toda uma organização.
Eles começaram a falar das ENORMES dificuldades financeiras que o Município passa ainda mais agora que o Governo do Estado "tomou" as maquinas de arrumar as estradas....foi falando falando. Até que chegamos a questão das contratações de pessoas que não são do município. Só contratamos profissionais que não havia aqui na cidade!!
É mesmo? e a psicologa que vocês contrataram sem ao menos me chamar pro processo de seleção? (não aguentei tive que falar) Ou não houve seleção? A Secretária com a cara mais cínica disse assim: ah é mesmo você é psicologa, né, eu não sabia! Levantei e sai da sala; não aguentei o cinismo. O vice prefeito disse que nem sabia do caso e que ainda era tempo de rever a questão. Saí da sala pensando que esta "arapuca" não conseguiu me pegar.
...
Sabe aquela situação que depois ficamos pensando que poderia responder isto e aquilo, mas, na hora não falamos nada? Pensei em responder assim, pro vice prefeito: o tempo passou e para a Secretária que talvez ela também esteja no cargo errado; mas, pensando bem, diante da situação, que ela é apenas uma figurante, talvez seja a pessoa ideal para o cargo.
É cada arapuca que aparece!!