Google+ Followers

terça-feira, 8 de março de 2016

A força feminina


Vamos entrar nesta onda e falar de uma mulher que eu admiro e que me intriga: A Dilma!
Para isto: O ANEL DO PODER - A Criança Abandonada, o Pai Autoritário e o Feminino Subjugado. Uma Interpretação Junguiana do Ciclo do Anel de Wagner Jean Shinoda Bolen, M.D.
“Os primeiros livros de Jean Shinoda Bolen inspiravam-se nos padrões arquetípicos presentes no homem e na mulher, e o fazia a partir de deuses e deusas gregos mostrando como eles atuam sobre os valores patriarcais que premiam alguns arquétipos e punem outros.” Este mito inspirou a série: O senhor dos anéis.

Freud disse que repetimos padrões e tratamos as pessoas que nos cercam “projetando” nossos pais e irmãos nestas relações, em uma sequência articulada para manter este padrão, matriz, “imago” atuante.

Praticamente nada sei da vida pessoal da presidenta.
Mas, sei um pouquinho da alma feminina e de nossas atuações frente ao masculino.

Ela que na adolescência foi audaciosa, rebelde, corajosa pra enfrentar as autoridades da ditadura militar e, portanto o “pai”; hoje se vê (sem enxergar é claro), subjugada ao mesmo padrão de dominação masculina que um dia lutou contra. (Mulheres que correm com os lobos; fazem armadilhas pra si mesmas é inevitável, o Oraculo já previu!) A relação com o pai deve ter sido complicada tamanha a força que ela lutou.

Coincidências não existem! Disse ela duas vezes na entrevista que concedeu (dia 4/3/16) referindo-se à delação de Delcídio do Amaral e a prisão de Lula.

A substituição de um mito/arquétipo para outro se dá em primeiro lugar pelo Oráculo- o profeta (que é presente no Tempo Aion- o não tempo- o tempo do Espirito Santo, aonde Ele movimenta no espaço). Ele faz as profecias e todos ficam sabendo, pois outros arquétipos como de Hermes, por exemplo, se encarregam de divulga-las. O segundo passo tanto para os deuses como para nós pobres mortais é a negação da profecia, tentar esconder dela, nega-la e querer fugir. Mas quanto mais eu penso que estou fugindo mais eu caminho para o centro do furacão; o Espirito Santo não erra jamais, Ele é o “Eu sou o que Sou” atualizado.

Neste mito o deus/pai barganha a filha com dois gigantes (quem será hoje?) para ter o anel do poder cujo poder é subjugar todos para servi-lo; mas, tem uma maldição aqui, que diz: se você escolher o PODER você precisa abrir mão do Amor.

Na ânsia pelo poder o rei/pai não pensa duas vezes e entrega a filha. Sua esposa (vocês já observaram a dona Marisa? Parece que ela esta em outro mundo e meio grogue) esta preocupada com o palácio novo que ele prometeu pra ela que construiriam, eles mudam para o novo palácio, mas a esposa sente infeliz por não ter a filha amada por perto e as constantes infidelidades do marido que só pensa nele.

A filha que ama e idolatra o pai fica triste, mas, tenta a todo custo agrada-lo. O pai assim fica cada dia mais distante do feminino, sem conexão alguma. É importante pontuar que “O Verbo” é a maior atração para uma mulher, por isto que caímos tantas vezes “na lábia” dos homens conversadores e mentirosos, pois ficamos encantadas e hipnotizadas por bons discursos, desde o Paraíso com a serpente querendo nos iludir com o conhecimento do bem e do mal. (Bom é o PT mau é o PSDB já disse a jararaca Lula).

A capacidade de comunicação e oratória é masculina, a de “escutatória” feminina, e quem abre a boca do homem é a mulher.

Depois da denuncia da filha Alhetéia (na novela a Regra do Jogo também foram as filhas que descobriram à Verdade sobre a real identidade do pai e, portanto uma foi para o cativeiro e a outra para o hospício).

A ruína começa quando a filha sente realmente abandonada pelo pai e precisa dizer deste “abandono”, se não ela morre sufocada. Mesmo sabendo que ela não consegue comunicar-se de forma objetiva sobre suas "dores", pois não aprendeu e o pai dizia que ele iria falar por ela, que não precisaria preocupar-se, e quanto mais ela tenta mais admira a capacidade do pai em fazer discursos e palestras (claro) e se vê impotente. Penso que ela deve estar fragilizada e sofrendo muito, pois ela percebeu que continua no cativeiro, só que agora pelo Lula.

O estopim veio quando Lula começou a critica-la publicamente, principalmente em relação à troca do Ministro da Justiça (outra irmã).
 As “irmãs” têm alertado que algo será revelado, não há volta.

 O Tempo Aion/ Espirito Santo já havia previsto, nós iremos entrar para o Tempo Kaíros/Cristo- o tempo oportuno para a fraternidade, o tempo que vamos comprovar que o MAIOR PODER É O AMOR; e este padrão de lideranças autocráticas (onde só “eles” estão certos e têm o poder, já está caindo) assim, estamos realmente libertando o feminino e amparando as crianças.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Morreu de que?
- Se sufocou com as palavras que nunca disse...

Grata, pela visita!
Abraços,
Rita de Cássia